Segunda, 04 Novembro 2019 21:28

Sindicato repudia anúncio do Bradesco de fechar 450 agências até 2020

Segundo maior banco privado do país lucrou mais de R$19 bilhões em nove meses, mas fechou 85 agências no ano e confirma mais 100 ainda este ano
O Sindicato aponta para a realização de protestos, caso o Bradesco ameace o emprego dos bancários com o fechamento de centenas de agências O Sindicato aponta para a realização de protestos, caso o Bradesco ameace o emprego dos bancários com o fechamento de centenas de agências

Os nove primeiros meses de 2019 renderam ao Bradesco um lucro de R$19,2 bilhões. Apesar do recorde no resultado financeiro, o banco, que já havia anunciado o Programa de Desligamento Voluntário (PDV) com adesão de aproximadamente 3 mil funcionários e já fechou 85 agências no período, anunciou o fechamento de mais 450 unidades em 2020, sendo 100 ainda na reta final deste ano. A informação foi dada pelo Presidente do Bradesco, Octavio de Lazari.
“Como pode um banco bater recorde de lucro, faturando mais de R$19 bilhões, resultado do esforço e do sacrifício dos bancários, não ter nenhum compromisso com a valorização dos funcionários e ainda disseminar a incerteza nos trabalhadores com o anúncio da extinção de unidades e, consequentemente, de postos de trabalho? É inaceitável que na mais grave recessão da história do Brasil, o sistema financeiro continue batendo recorde de lucros às custas dos maiores juros do planeta e este setor ainda impõe uma política de demissão em massa”, critica o vice-presidente da Contraf-CUT, Vinícius Assumpção.
Bancários e clientes
Mesmo diante do anúncio do resultado de R$6,54 bilhões em três meses e de crescimento de 22,3% do banco em 2019, os funcionários e clientes seguirão como os maiores prejudicados pela política do banco de reduzir o número de agências e cortar mão-de-obra.
De acordo com o Dieese, até o fim de setembro 4.567 agências estavam abertas, representando a queda de 85 unidades em um ano. Com 50 agências encerradas até setembro, Lazari confirma que mais 100 unidades devem ser fechadas até ao final deste ano e mais 300 durante 2020. Até o final de setembro a holding tinha 99.272 empregados e uma abertura de 1.113 postos de trabalho.
Após a divulgação do encerramento em massa de agências, a Contraf-CUT já emitiu um ofício ao banco para maior detalhamento dessa decisão.
“O Bradesco ainda não confirmou quais regiões do Brasil sofrerão com o fechamento das agências, mas o Sindicato está atento e não descartamos a realização de protestos para cobrar do banco a preservação dos empregos e a manutenção de um número suficiente de unidades para não sobrecarregar ainda mais os funcionários nos locais de trabalho e não prejudicar os clientes”, afirma a presidenta do Sindicato, Adriana Nalesso.