Segunda, 07 Outubro 2019 19:27
NÃO ÀS PRIVATIZAÇÕES

Trabalhadores defendem soberania, e e educação no Dia do Luto

Dirigentes sindicais bancários participaram da manifestação, no Centro do Rio, e criticaram o projeto privatista do governo, que mira também os bancos públicos Dirigentes sindicais bancários participaram da manifestação, no Centro do Rio, e criticaram o projeto privatista do governo, que mira também os bancos públicos

Na última quinta-feira (03), no Centro do Rio de Janeiro, trabalhadores de várias categorias, estudantes, sindicatos e entidades do movimento social realizaram o ato “Luto Pelo Brasil”. O protesto teve entre os motes, a luta contra as privatizações, o combate à destruição da Amazônia, pelo direito ao emprego, saúde e contra os cortes da educação. A data foi escolhida por ser o aniversário de 66 anos da Petrobrás, a mais importante empresa pública nacional, que também sofre risco de privatização no governo Bolsonaro.
Cerca de 20 mil pessoas participaram da atividade. Entidades locais e representativas de trabalhadores de estatais, saíram com um carro de som do prédio da Eletrobrás. O segundo momento se deu com um carro de som maior atravessado em frente ao prédio da Petrobrás, na Avenida Chile.
Vários parlamentares de esquerda do PT, PCdoB e PSOL participaram da manifestação. Movimentos de juventude acenderam velas lembrando a morte dos jovens negros vítimas da política de segurança pública do governador Wilson Witzel.
“Estamos neste protesto como bancários, sindicalistas e cidadãos. O Brasil está com sua soberania ameaçada por um projeto entreguista e privatista que inclui a venda dos bancos públicos para o setor privado e que só interessa a banqueiros e especuladores”, alerta a presidenta do Sindicato, Adriana Nalesso.