Segunda, 02 Dezembro 2019 20:03
ALERJ

Bancários participam de mobilização da sociedade contra privatizações

Audiência pública contra a ameaça de privatizações.  O evento foi uma iniciativa do deputado federal Paulo Ramos (PDT) Audiência pública contra a ameaça de privatizações. O evento foi uma iniciativa do deputado federal Paulo Ramos (PDT)

Em mais um passo para barrar o processo de privatizações de estatais e de ataques ao serviço público, movidos pelo governo Jair Bolsonaro, foi realizada, na segunda-feira (2/12), audiência pública, na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), convocada pela Comissão de Trabalho da Câmara dos Deputados, por iniciativa do deputado federal Paulo Ramos (PSDT-RJ). O evento contou com a participação de dirigentes de diversos sindicatos, entre eles o dos bancários, representando os funcionários do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, BNDES e Finep - Financiadora de Estudos e Projetos -, esta última representada pela Associação de Funcionários da Finep, a Afin; empregados da Casa da Moeda, dos Correios, Eletrobras, Cedae, Petrobras, além de entidades como a Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Ministério Público do Trabalho (MPT) e a Associação de Juízes pela Democracia, representada pelo juiz João Batista Damasceno e Associação de Engenheiros da Caixa Econômica Federal
Na contramão do mundo
Embora BB, CEF, BNDES e Petrobras não estejam na lista de privatizações de 17 estatais já divulgada pelo governo já estão sendo privatizadas em fatias, por exemplo, com a entrega de partes importantes delas, como as gigantes BR Distribuidora (Petrobras) e a Lotex (CEF), e desmonte progressivo, como preparação para a entrega total ao setor privado. “Este processo imposto pelo governo Bolsonaro vai na contramão do que acontece pelo mundo, onde nos últimos anos foram reestatizadas 874 estatais, nos Estados Unidos, França e, em especial, na Alemanha”, frisou o diretor do Sindicato, Ronald Carvalhosa. Acrescentou que o motivo é sempre o mesmo: as empresas privadas estavam lucrando muito com tarifas elevadas e prestação de serviços de péssima qualidade.