Segunda, 13 Maio 2019 19:46

PREPARANDO A GREVE GERAL - Bancários participam de mobilização contra cortes na educação e a Reforma da Previdência

O Sindicato dos Bancários está em plena campanha, junto com as demais categorias de trabalhadores, contra o corte de 30% dos investimentos nas universidades públicas. A tesoura do governo Bolsonaro afeta a pesquisa acadêmica e ameaça as bolsas de mestrado e doutorado.
O protesto e a greve no setor da educação serão na próxima quarta-feira, dia 15 de maio. No Rio haverá passeata da Candelária à Central do Brasil, a partir das 17 horas, com concentração ás 15h.
A luta contra a alteração nas regras para a aposentadoria é outra bandeira prioritária do movimento sindical e de toda a classe trabalhadora. A CUT e demais centrais - CTB, Força Sindical, CGTB, Intersindical, Central e Instrumento de Luta, CSB, Nova Central e UGT – estão convocando greve geral para o dia 14 de junho.
Prejuízos para o trabalhador
A PEC (Proposta de Emenda Constitucional) nº 6/2019, elaborada pela equipe econômica comandada pelo Ministro da Economia, o banqueiro Paulo Guedes, impõe vários prejuízos para o povo brasileiro, criando uma idade mínima (65 anos para homens e 62 para mulheres); um mínimo de 40 anos de contribuição para receber o teto do INSS (R$5.839,45); a redução do Benefício de Prestação Continuada (BPC), paga a idosos sem nenhuma renda para sobreviver, que hoje é de um salário mínimo (R$998) para R$400. Além disso, o projeto não garante regras especiais para professores e trabalhadores rurais e nem leva em consideração a expectativa de vida menor nas regiões mais pobres do Brasil.
Privilégios continuam
A reforma também não combate os privilégios: militares continuam se aposentando antes dos 54 anos e com salário integral. As Forças Armadas, especialmente generais, ganharam do governo Bolsonaro um generoso reajuste que garantirá soldos de até R$30,9 mil, igualando ao salário do presidente da República. A benesse foi dada em troca de mais 5 anos de trabalho na caserna para ter direito à aposentadoria (reserva remunerada).
Juízes também continuam com gordas aposentadorias e os parlamentares têm o direito de optar se querem manter a atual regra ou aceitar o mesmo sistema da Previdência Social.
O Sindicato continua com a banca intinerante para colher assinaturas contra a Reforma da Previdência em vários locais da cidade (confira no quadro o calendário desta semana e participe). Na sexta, além da banca na Praça Saens Pena haverá caravana nas agências próximas.

 

 Participe do abaixo-assinado contra a Reforma da Previdência​
Terça (14/5) Senador Dantas (Bradesco)
Quarta (15/5) Rio Branco esquina com São José (Itaú)
Quinta (16/5) Porta do Sindicato (Av. Presidente Vargas, 502)
Sexta (17/5) Praça Saens Pena (Tijuca)