Sexta, 26 Outubro 2018 14:57

Datafolha confirma crescimento de Haddad e queda de Bolsonaro

A pesquisa do Datafolha divulgada na quinta-feira, 25, a apenas três dias do segundo turno da eleição, mostrou que Jair Bolsonaro (PSL) caiu na intenção de voto, inclusive em seus segmentos tradicionais: caiu três pontos entre os homens, e a vantagem que era de 26 pontos percentuais passou a 20. Ele também perdeu entre os mais jovens, os mais velhos e os mais ricos. Fernando Haddad (PT) subiu entre homens, jovens e até entre os, mais ricos, além de ampliar a vantagem no Nordeste.

 

Mudança de voto

 

O número de indecisos permaneceu estável, revelando que o candidato petista conquistou votos de Bolsonaro, condição vital para que vire o jogo nos últimos dois dias de campanha. Entre as mulheres, há um empate técnico: 42% a 41%. Entre os homens, a vantagem ainda é de Bolsonaro, mas ele caiu de 58% para 55% na nova pesquisa e Haddad subiu de 39% para 45%, no mesmo período.

 

Empate entre católicos

 

O petista também reduziu a diferença entre os católicos: subiu quatro pontos (43%) e chegou a empate técnico com o militar, que oscilou de 46% a 44%. No eleitorado evangélico, o político do PSL ainda lidera, mas o petista apresentou crescimento: 59% a 26%.

 

Bolsonaro cai entre Jovens

 

O candidato do PSL caiu seis pontos no eleitorado mais jovem, de 16 a 24 anos, e foi ultrapassado nesta faixa pelo petista, que cresceu quatro pontos, foi a 45% e superou o militar, 42%. Bolsonaro também perdeu quatro pontos entre os eleitores mais velhos, de 60 anos ou mais. Neste estrato, ele tem 50% contra 34% Haddad, que subiu três pontos. Haddad também avançou entre votantes de 25 a 34 anos: o militar da reserva caiu um ponto e tema agora 49%, e o petista subiu quatro, chegando a 39%.

 

Até na região sul, ponto forte do capitão da reserva, há mudanças o militar perdeu três pontos e Haddad subiu quatro pontos. A disputa agora por lá é estimada em 58% a 31% para Bolsonaro. No Norte a queda de Bolsonaro é ainda maior, perdendo cinco pontos e Haddad cresceu 7 pontos: 53% contra 37%. No Nordeste, o petista ampliou a vantagem de 22 para 26 pontos: cresceu três, a 56%, e viu o rival cair um ponto, estacionando em 30%.

Haddad cresce entre os mais pobres -  Entre os eleitores que ganham até 2 salários, Haddad subiu de 44% a 47% e Bolsonaro oscilou para baixo, de 39% a 37%. Até entre os mais ricos, o candidato do PSL viu sua vantagem reduzir: entre eleitores que recebem de 5 a 10 salários-mínimos, a vantagem caiu de 40 pontos para 32 após o militar cair de 66% a 61% e o petista saltar de 26% a 29%. Na faixa de mais de 10 salários, Bolsonaro caiu seis pontos (a 61%) e Haddad subiu oito (32%).

O Datafolha ouviu 9.173 eleitores em 341 municípios, em 24 e 25 de outubro. O levantamento está registrado do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).