Informativo On-Line:

Cadastre-se e receba o informativo do sindicato por email.

Previdência perde contribuintes; centrais mobilizam contra a reforma

OPINIÕES

01, fevereiro 2018 16:01

por Fernando Brito

A primeira ajuda a entender os problemas de caixa da Previdência Social: só em 2017, perdeu-se quase 1,1 milhão de contribuintes. Por conseguinte, não apenas o seu desconto previdenciário, mas também as contribuições patronais associadas.

É o resultado da política de “bico”, em lugar de emprego.

Isso é atacar no esteio um sistema atuarial que depende de ter mais contribuições do que dispêndios. Quer-se, com a reforma, cortar os gastos, mas em política econômica e em redução da regulação trabalhista, corta-se a receita das contribuições.

A segunda, ajuda a reagir a este crime. As centrais sindicais ( CUT, CSB, CTB, Força Sindical, Nova Central, UGT e Intersindical) decidiram iniciar imediatamente uma Jornada de Luta contra a Reforma da Previdência, e marcar, para o dia 19, quando está prevista a votação do projeto de reforma enviado por Michel Temer à Câmara, uma série de manifestações e greves, sob o lema: “Se Botar Pra Votar, o Brasil vai Parar”.

Quase toda esta turma que fala em favor da reforma, não se iluda, é formada de empresários ou “PJ” e paga, proporcionalmente, menos imposto que você.

Leia a nota das centrais e pense no que pode fazer para que não se consume mais este crime contra os trabalhadores.

Em reunião manhã desta quarta-feira (31), as centrais sindicais (CSB, CTB, CUT, Força Sindical, Nova Central, UGT, Intersindical) aprovaram a realização de uma Jornada Nacional de Luta contra a Reforma da Previdência.

Na oportunidade, as centrais repudiaram a campanha enganosa do governo Michel Temer para aprovar a Reforma da Previdência. E orientam para o próximo dia 19 de fevereiro um Dia Nacional de Luta.

Com a palavra de ordem “Se botar pra votar, o Brasil vai parar”, as centrais orientam suas bases a entrarem em estado de alerta e mobilização nacional imediata, com a realização de assembleias, plenárias regionais e estaduais, panfletagens, blitz nos aeroportos, pressão nas bases dos parlamentares e reforçar a pressão no Congresso Nacional.

As centrais sindicais conclamam suas bases a reforçar o trabalho de comunicação e esclarecimento sobre os graves impactos da “reforma” na vida dos trabalhadores e trabalhadoras.

A unidade, resistência e luta serão fundamentais para barrarmos mais esse retrocesso.

Comentários


Para comentar você precisa estar logado.