Informativo On-Line:

Cadastre-se e receba o informativo do sindicato por email.

VITÓRIA NO BANCO DO BRASIL

Maioria absoluta dos funcionários diz não à alteração estatutária da Cassi

NOTÍCIAS

08, outubro 2018 22:21

O PODER DA MOBILIZAÇÃO - Rita Mota (segunda, á direita) e demais dirigentes sindicais comemora a vitória, após uma forte campanha do Sindicato e dos funcionários do BB, pelo voto “não” à mudança estatutária da Cassi que a direção da empresa queria impor

Os funcionários do Banco do Brasil tiveram uma vitória consagradora contra a proposta da direção do banco, de alterar o estatuto da Cassi, o que traria vários prejuízos para os associados do plano de saúde da empresa. A apuração ocorreu na sexta-feira (5). De acordo com a Cassi, 132.504 associados votaram. Entre os votantes, 91.796 disseram NÃO à proposta de reforma do Estatuto, ou seja, mais de 70,1% dos votos válidos. Apenas 38.970 votaram favoravelmente à alteração. Foram registrados também 805 votos brancos e 933 nulos. Os bancários seguiram a orientação do Sindicato, da maior parte das associações de funcionários da ativa e aposentados e da Contraf-CUT, na defesa dos interesses dos trabalhadores. 
“O resultado é uma vitória dos funcionários que deram um recado claro para a diretoria do banco de que não aceitamos decisões que prejudicam os associados. Não estamos fechados ao diálogo, mas o processo tem de ser negociado com os trabalhadores, com transparência e não abrimos mão do modelo de governança da Cassi que garante a paridade e a participação do funcionalismo na gerência e nas decisões de nossa caixa de assistência, garantindo os direitos dos bancários”, disse a diretora do Sindicato e representante do Rio na Comissão de Empresa dos Funcionários do BB, Rita Mota. 
Pressão do banco
A mudança estatutária proposta pelo banco feria a representação e os direitos dos associados. Para isso, o BB usou de métodos, como: assédio, mensagens nos terminais de autoatendimento e nos celulares dos funcionários, 
A Cassi tem um plano B, que é a negociação e a participação do corpo social. Para os sindicalistas, uma mudança estatutária dessa envergadura não pode ser feita sem a participação da Contraf-CUT, dos sindicatos e das demais entidades. “O funcionalismo precisa ser respeitado”, acrescenta Rita. 

Comentários


Para comentar você precisa estar logado.


Leia também:


18, October 18

Funcionários do Itaú recebem 13ª cesta-alimentação no dia 26

18, October 18

Empresas pagaram milhões para disseminar fake News pelo WhatsApp em favor de Bolsonaro

17, October 18

Retorno do risco de privatizações ameaça bancos públicos e o futuro do Brasil