Informativo On-Line:

Cadastre-se e receba o informativo do sindicato por email.

Em que escola o general aprendeu a disseminar o ódio racial ?

NOTÍCIAS

09, agosto 2018 16:15



É com perplexidade que assistimos o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB), candidato a vice-presidente na chapa de seu subalterno na hierarquia militar, o capitão Jair Bolsonaro, expressar todo o preconceito e discriminação que a classe dominante no Brasil possui em relação aos negros e índios. Mourão disse pejorativamente, que o Brasil herdou a “indolência” dos indígenas e a “malandragem” dos africanos. Talvez ele nem saiba, mas seus argumentos para tentar explicar os motivos de o porquê o Brasil não consegue ser um país de primeiro mundo, têm origem nas teorias antropológicas mais atrasadas e há muito superadas, com raízes na vertente "evolucionista". Esta teoria pressupõe um único caminho de desenvolvimento possível na humanidade e é baseada numa visão etnocêntrica, aquela que tem como parâmetro apenas o olhar para a cultura de si mesmo, anglo-saxã, branca, europeia, capitalista e cristã. Eram estes os conceitos que os europeus "civilizados" usavam para justificar a espoliação de negros e índios, considerados "selvagens", "primitivos", "atrasados", "pagãos", culturas “inferiores” que teriam de ser exterminadas ou domesticadas pelo processo de aculturação. 
Não merece nem citação a tentativa do capitão de consertar o estrago histórico e conceitual feito pelo general, ao dizer à imprensa que "indolência" é sinônimo de "capacidade de perdoar”, e não de "preguiça" e "ócio”, desleixo", como nos ensina qualquer dicionário de cabaceira. 

 

A disseminação do ódio


Tamanho descalabro dos dois militares e candidatos nos levam a perguntar: o que estão ensinando na Escola Superior de Guerra? Qual a visão sociológica e antropológica permeia os currículos militares e o que fizeram das ciências políticas na formação do oficialato brasileiro?

E imaginar que os candidatos querem disseminar Brasil à fora, as escolas militares que parecem produzir com fartura, ignorância e dissintonia em relação à realidade, à cultura e à formação étnica brasileira, além de preconceito e ódio, complexo de vira-latas em relação a si mesmo e desprezo pela democracia e pelas ideologias de cunho social.
Baseado nestes princípios foi que Hitler disseminou a política do ódio, não apenas a judeus, mas igualmente a comunistas e homossexuais. O sintoma anômalo parece se repetir em uma parcela da sociedade brasileira que se identifica com uma mitificação de um candidato que preconiza a mesma intolerância a tudo o que contradiz seus próprios valores culturais, religiosos e ideológicos. Acusar o capitão e o general de "fascistas" não é meramente uma retórica.

 

A perseguição política

 

Quem defende com tanto afinco a ditadura não tem condições morais de querer impor, aos berros, suas convicções políticas em nossa combalida democracia, hoje distorcida pelo ativismo judicial e pelo moralismo tosco da toga manchada pela perseguição política ao maior líder popular vivo: Luiz Inácio Lula da Silva. 

A visão do general é a vertente da plutocracia, para os gregos o poder exercido pelos mais ricos. Os neoplutocratas vivem ou têm a cabeça em Miami ou Paris. Acumulam riqueza nas aplicações financeiras do rentismo e têm desapreço pela democracia e pela pátria de origem. O parâmetro é sempre o liberalismo que os EUA propagam, mas nunca praticam em sua terra.

 

A singularidade brasileira


O que o general chama de "indolência" indígena é meramente o cotidiano de uma civilização que não desassocia o trabalho do prazer e não tem como valor, o acúmulo de riqueza e nem a propriedade privada.

Ao contrário do que supõe o ignorante general, é esta mistura da riqueza cultural indígena, negra e europeia, que faz do Brasil uma nação única, que poderá ainda consolidar seu destino civilizatório, desde que seu povo tenha condições mínimas para garantir sua emancipação e a nação, a sua soberania. O processo social e histórico brasileiro está repleto de exemplos de rebeliões dos negros em busca de sua liberdade e de resistência dos índios ao trabalho forçado e ao modelo de "felicidade" do capitalismo ocidental.

Este processo social está vivo no povo brasileiro, que espera a sua hora para dar resposta ao ataque contra seus direitos, implementado por estes setores racistas e preconceituosos da sociedade. O extremo do ideal reacionário saiu do armário e consolidou um projeto da máxima mais-valia e da espoliação e de um atentado ao estado democrático de direito, que as viúvas da ditadura, hoje aliadas ao ativismo moralista da toga, tentam impor ao Brasil e aos brasileiros. 

 

Almir Aguiar – Secretário de Combate ao Racismo da Contraf-CUT

 

 

Comentários


Para comentar você precisa estar logado.


Leia também:


18, October 18

Funcionários do Itaú recebem 13ª cesta-alimentação no dia 26

18, October 18

Empresas pagaram milhões para disseminar fake News pelo WhatsApp em favor de Bolsonaro

17, October 18

Retorno do risco de privatizações ameaça bancos públicos e o futuro do Brasil