Informativo On-Line:

Cadastre-se e receba o informativo do sindicato por email.

Temer implode acordo específico da Caixa

NOTÍCIAS

07, agosto 2018 21:31

Ricardo Maggi (D), na mesa de negociação, convoca os empregados da Caixa para lutar pelos direitos e repudiar a intransigência da Caixa e da Fenaban

Sindicato convoca empregados para a assembleia deste dia 8 para rejeitar proposta desrespeitosa e autoritária

Não poderia ser pior. No mês em que Michel Temer (MDB) completa dois anos de sua posse na Presidência, após o golpe que derrubou Dilma Roussef (PT), a diretoria da Caixa Econômica Federal abriu a rodada deste dia 7 de agosto, em São Paulo, anunciando que seguirá a reforma trabalhista do emedebista, aprovada pelo Congresso Nacional e por ele sancionada.
Subserviente, a diretoria do banco alegou ter que retirar direitos porque sendo uma empresa 100% controlada pelo governo tem que seguir suas orientações. Mas o pior ainda estava por vir e foi sendo anunciado aos poucos aos representantes da Comissão Executiva dos Empregados da CEF.
Disse que seguirá as propostas econômicas feitas ao Comando Nacional dos Bancários e à Contraf-CUT pela Fenaban na mesa geral de negociação. Em seguida, começou a apresentar sua proposta para o acordo específico, contendo, apenas, 28 itens, correspondendo a menos da metade das cláusulas atuais. Ou seja, um ataque jamais visto a um setor da categoria bancária.
Assembleia para rejeitar
Para Ricardo Maggi, membro da CEE/Caixa e diretor da Fetraf RJ/ES, é fundamental a participação dos empregados do banco na assembleia deste dia 8 no Sindicato, para rejeitar a proposta. “Somente com a união de todos vamos manter os nossos direitos ameaçados de extinção”, afirmou. A próxima negociação será no dia 17, após a negociação entre a Fenaban e o Comando Nacional dos Bancários.
Cláusulas retiradas
Entre as cláusulas retiradas estão a PLR Social; horas extraordinárias; cláusula específica da Funcef (o fundo de pensão); a referente aos grupos de trabalho (Saúde Caixa e Saúde do Trabalhador) que seriam, com isto, extintos; além da retirada de todos aos direitos referentes aos aposentados.
A diretoria da Caixa, causou surpresa ao anunciar que o plano de saúde, o Saúde Caixa, poderá ser alterado por ela a qualquer tempo, de forma unilateral, num banho de autoritarismo. E, de quebra, reafirmou que seguirá à risca as resoluções da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPAR), sobretudo a de número 23, que impõe redução da participação das estatais nos planos de saúde dos funcionários.
Esta resolução altera o critério de custeio, acabando com o princípio da solidariedade do Saúde Caixa e demais planos de estatais e estabelecendo a paridade entre contribuições dos participantes e as da Caixa. Hoje, esta relação é de 30% e 70%, respectivamente. Esta alteração encarece significativamente as mensalidades.
Empregados protestam
Indignados, os membros da CEE/Caixa registram em mesa o seu protesto com as imposições e alterações contidas nesta proposta indecente, desrespeitosa e que retira inúmeros direitos, conquistados há décadas.  

 

Comentários


Para comentar você precisa estar logado.


Leia também:


18, October 18

Funcionários do Itaú recebem 13ª cesta-alimentação no dia 26

18, October 18

Empresas pagaram milhões para disseminar fake News pelo WhatsApp em favor de Bolsonaro

17, October 18

Retorno do risco de privatizações ameaça bancos públicos e o futuro do Brasil