Informativo On-Line:

Cadastre-se e receba o informativo do sindicato por email.

BANCO DO BRASIL

Funcionários repudiam terrorismo do banco e rejeitam proposta para Cassi

NOTÍCIAS

13, junho 2018 19:45

Os funcionários denunciam uma postura terrorista do banco, dizendo que a Cassi vai quebrar para dissimular a retirada de direitos que quer fazer

Reunidos no Congresso dos Funcionários do BB, realizado nos dias 7 e 8 deste mês, em São Paulo, representantes eleitos em assembleias por todo o Brasil rejeitaram as mudanças propostas pelo banco no custeio e na governança da Cassi. 
Terrorismo
As propostas do banco envolvem mudança no estatuto, que só pode ser alterado com quórum mínimo de 50% e voto favorável de 2/3 dos associados (ativos e aposentados). Na história da Cassi, aprovação tão alta só ocorreu com apoio consensual das entidades. O banco espalha terrorismo, dizendo que a Cassi vai quebrar para mascarar sua proposta que retira direitos dos associados. Mas não pode esconder que continua sendo o principal responsável pela saúde dos funcionários.
O banco manda os gestores fazerem reuniões para defender a proposta patronal. Funcionários reclamam que os gestores apenas repetem que precisa aprovar a proposta, sem nenhum embasamento técnico. Alguns chegam a impedir dirigentes e delegados sindicais de dar sua opinião. O banco pratica terrorismo e chega a censurar quem tem opinião contrária.
Voto de Minerva
Em sua proposta, o banco, além de aumentar as despesas e diminuir a representação dos associados, quer aumentar definitivamente as contribuições dos associados para 4% e manter a do patrocinador em 4,5%. O banco pretende ainda criar cobrança por dependente, sem levar em conta a atual contribuição percentual sobre os salários. Além disso, quer implantar o voto de Minerva para aprovar o que for de seu próprio interesse. 
A proposta prevê também a entrega de duas diretorias para agentes do mercado de saúde, que somarão seu voto aos dois indicados pelo BB. Ataca a democracia e penaliza os associados de menor salário, que terão aumento de até 170% nas contribuições mensais.
Repúdio à imposição
Se o banco quiser alguma mudança, terá de negociar com a Contraf, os sindicatos e as entidades representativas e apresentar uma proposta viável para os associados e que aumente também a contribuição do banco. “Não adianta o banco impor uma proposta à diretoria e conselho da Cassi e depois mandar os associados votarem, que não vai conseguir aprovar. Este foi o tom dos congressistas”, avisa Wagner Nascimento, coordenador da Comissão de Empresa
 

Comentários


Para comentar você precisa estar logado.


Leia também:


18, October 18

Funcionários do Itaú recebem 13ª cesta-alimentação no dia 26

18, October 18

Empresas pagaram milhões para disseminar fake News pelo WhatsApp em favor de Bolsonaro

17, October 18

Retorno do risco de privatizações ameaça bancos públicos e o futuro do Brasil