Informativo On-Line:

Cadastre-se e receba o informativo do sindicato por email.

Petroleiros aprovam greve contra privatização da Petrobras

NOTÍCIAS

15, maio 2018 17:41

Os petroleiros – trabalhadores da Petrobras – estão aprovando em assembleias em todo o país, o indicativo de greve por tempo indeterminado contra a privatização da empresa, em protesto contra a venda de seus ativos e a prisão do ex-presidente Luiz Ignácio Lula da Silva. A Petrobras vem sendo submetida ao maior desmonte da história da empresa, iniciado depois do golpe de Estado de 2016, que derrubou a ex-presidente Dilma Roussef (PT) e colocou em seu lugar Michel Temer (PMDB).

Até esta segunda-feira (14), 12 dos 13 sindicatos da Federação Única dos Petroleiros (FUP), já haviam aprovado a greve – o que equivale a 98% da categoria. Apenas o Rio Grande do Norte ainda terá assembleias ao longo da semana. A data de início da greve será definida pela FUP. Nas assembleias, a categoria também está aprovando um manifesto em defesa da soberania, pela democracia e contra a prisão política de Lula, o presidente que mais investiu na companhia, segundo os petroleiros.

Na quinta-feira, 17, a FUP e seus sindicatos realizam uma reunião do Conselho Deliberativo da entidade, no Rio de Janeiro, para avaliar o quadro nacional das assembleias. No encontro serão definidos os próximos passos para a construção da greve.

Entrega às multinacionais

Desde que assumiu a presidência da Petrobras, indicado pelo governo golpista de Temer, Pedro Parente já entregou para grupos estrangeiros mais de 30 ativos estratégicos, como os campos do pré-sal, sondas de produção, redes de gasodutos, distribuidoras de gás, termoelétricas e usinas de biocombustíveis. Agora, prepara-se para atacar as refinarias. Cerca de 3.700 trabalhadores serão afetados de imediato com a venda de 60% de quatro refinarias: Repar (PR), Abreu e Lima (PE), RLAM (BA) e Refap (RS). O pacote fechado inclui ainda 24 dutos e 12 terminais.

A ampla adesão à greve e ao manifesto em defesa do ex-presidente Lula mostram que a categoria está disposta a lutar contra a privatização, o desmonte, o risco de desemprego e reconhece que a Petrobras viveu uma era de grandes avanços nos governos do PT. “Lá no começo dos anos 2000, Lula chegou com um projeto nacionalista para o Brasil, o que incluía a valorização da Petrobras. E, nessa época, já vimos grandes concursos, o foco no conteúdo nacional, grandes obras, tudo o que gerou empregos diretos e indiretos, distribuição de renda, fez girar a economia e trouxe desenvolvimento para o país”, diz o diretor de Saúde, Meio-Ambiente e Segurança (SMS) da FUP, Alexandro Guilherme Jorge.

Para os trabalhadores da Petrobras, a prisão de Lula representa um dos capítulos do golpe que, segundo o dirigente da FUP, tem uma relação direta com a entrega da maior riqueza do Brasil, o petróleo, para o capital estrangeiro. A privatização não entrega apenas as riquezas naturais para o capital internacional, mas também os empregos de milhares de trabalhadores e trabalhadoras da maior estatal brasileira e uma das maiores do mundo para profissionais de outros países.

Fonte: CUT Nacional. Matéria de André Accarini.

Comentários


Para comentar você precisa estar logado.


Leia também:


18, October 18

Funcionários do Itaú recebem 13ª cesta-alimentação no dia 26

18, October 18

Empresas pagaram milhões para disseminar fake News pelo WhatsApp em favor de Bolsonaro

17, October 18

Retorno do risco de privatizações ameaça bancos públicos e o futuro do Brasil