Informativo On-Line:

Cadastre-se e receba o informativo do sindicato por email.

Trabalhadores da LATAM denunciam demissão em massa no Galeão

NOTÍCIAS

16, abril 2018 13:31

Direção do Sindicato dos Aeroviários denuncia que estão demitindo para terceirizar. Essa forma de contratação que precariza a mão de obra está crescendo desde que a reforma trabalhista entrou em vigor

A direção do Sindicato Nacional dos Aeroviários (SNA) recebeu denúncia de demissão em massa no Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, o Galeão, no Rio de Janeiro (RJ). Segundo um aeroviário que pediu para não ser identificado, mais de 20 profissionais foram dispensados somente na manhã desta segunda-feira (16).

O aeroviário afirmou que foram demitidos dois líderes, um supervisor, sete operadores de equipamento e mais de dez auxiliares de rampa.

O mesmo está acontecendo em outras bases, dizem representantes do SNA. Em Palmas (TO) foram dispensados nos últimos dias quatro profissionais da linha de frente, três de rampa, um supervisor e um agente de carga, informou o dirigente Mauro Sergio.

A direção do SNA afirma que o principal motivo das demissões é o processo de terceirização que toma conta dos aeroportos e ganhou mais força após a reforma Trabalhista, que entrou em vigor em novembro de 2017. A assessoria desta entidade ainda não recebeu nenhuma nota da empresa com posicionamento sobre as dispensas que estão sendo realizadas. 

Medidas do Sindicato

A cláusula 41 da CCT (Convenção Coletiva de Trabalho), que aborda a necessidade de redução da força de trabalho, deve ser aplicada em casos de demissão em massa. Em muitas situações, o Sindicato consegue reverter a demissão, quando as empresas não cumprem o estabelecido no acordo. O texto completo da Convenção está disponibilizado em nossa página. A direção do SNA vai investigar o procedimento demissional e pede aos profissionais dispensados que entrem em contato com a entidade, caso acreditem que sua demissão foi irregular. 

Selma Balbino, diretora do SNA, usa as demissões da LATAM como um gancho para fazer duras críticas à Reforma Trabalhista e também aos trabalhadores desinformados que comemoraram o fim do imposto sindical. “Somos contra o imposto obrigatório, mas a forma como a contribuição foi abordada na Reforma prejudica os Sindicatos. Quem quiser saber um pouco mais sobre o assunto, pode ler nossa entrevista com o porta-voz da CUT (Central Única do Trabalho), Quintino Severo. Esses mesmos profissionais que comemoraram um possível enfraquecimento das entidades sindicais, hoje podem sofrer gravemente os revezes da Reforma”, lamenta.

Comentários


Para comentar você precisa estar logado.


Leia também:


16, July 18

Só a mobilização poderá arrancar proposta dos bancos até 1º de agosto

16, July 18

Caixa diz amém à Fenaban e também se nega a assinar pré-acordo

16, July 18

Banco do Brasil aceita calendário de negociação após pressão dos sindicatos