Informativo On-Line:

Cadastre-se e receba o informativo do sindicato por email.

Banco Santander explora brasileiros

NOTÍCIAS

13, maro 2018 13:57

Representando 26% do lucro mundial do banco, brasileiros sofrem com juros 20 vezes mais caros no país

Uma reportagem divulgada pelo Jornal do Brasil durante o final de semana, informou que o Santander cobra juros extraordinários, vinte vezes mais caros no Brasil, do que cobrados pelo banco na Espanha.

Mesmo lucrando R$ 9,953 bilhões no ano passado, o banco adotou uma prática de explorar os brasileiros. Tanto os funcionários, que trabalham sobrecarregados, devido à falta de reposição no quadro dos empregados, quanto seus clientes, que além de terem sofridos com agências fechadas, têm sido vítimas de taxas abusivas impostas pelo banco espanhol.

O banco não corresponde com sua responsabilidade social. Os brasileiros que têm um percentual de endividamento pelo PIB 30% menor que os espanhóis. Mesmo com os clientes espanhóis devendo mais o banco, as taxas cobradas em seu país sequer se aproximam do absurdo cobrado no Brasil.

Após ser considerado o país que mais contribui com o lucro do banco, durante todo o ano passado, o Brasil tem a maior taxa de juros como forma de “presente” imposta pelo Santander a seus clientes.

A diferenciação continua também no tratamento dado aos funcionários. “A matriz do Banco na Espanha reconhece o Comitê Europeu de trabalhadores do Banco Santander, mas não faz o mesmo com a rede de trabalhadores nas Américas e nem concebe a formação de uma rede mundial dos trabalhadores, que reivindica a assinatura de um Acordo Marco Global, onde se estabeleceriam padrões de igualdade de tratamento a todos os trabalhadores da empresa no mundo”, explicou o secretário de Relações Internacionais.

Fonte: Contraf-CUT

Comentários


Para comentar você precisa estar logado.


Leia também:


18, October 18

Funcionários do Itaú recebem 13ª cesta-alimentação no dia 26

18, October 18

Empresas pagaram milhões para disseminar fake News pelo WhatsApp em favor de Bolsonaro

17, October 18

Retorno do risco de privatizações ameaça bancos públicos e o futuro do Brasil