Informativo On-Line:

Cadastre-se e receba o informativo do sindicato por email.

OPOSIÇÃO: RENOVAÇÃO E INDEPENDÊNCIA PARA LUTAR, É PRECISO MUDAR

NOTÍCIAS

12, maro 2018 19:38

Há 27 anos, nosso Sindicato é dirigido pelo mesmo grupo de pessoas que defende uma concepção de “Sindicato Cidadão” e o “Sindicalismo de Resultados”. De lá para cá, sofremos inúmeros ataques. Perdemos direitos e qualidade de vida.
Para a direção do Sindicato, os acordos coletivos durante os governos do PT foram “históricos”. Isto não é verdade. Durante este período, que foi quando os bancos aumentaram em mais de 1000% seus lucros, nós só recebemos migalhas. Não recuperamos os direitos perdidos durante o governo FHC e se iniciou um período de reestruturações sistemáticas nos bancos. A pressão por metas e o assédio moral se elevaram brutalmente.   
Erros gravíssimos foram cometidos. A postura do Sindicato/Contraf CUT foi de parceria com os governos e direção dos bancos públicos. A tática de pautas rebaixadas e mesa-única de negociação nivelou nossa categoria por baixo.
Hoje, em que pese a CUT esteja fora do governo federal, as diferenças se mantêm muito profundas. A principal tarefa apontada pela diretoria do Sindicato, segundo sucessivas matérias no jornal BancáRio, é votar “bem” em outubro para que o próximo presidente cesse a onda de ataques e impeça as privatizações.
Se podemos tirar lições dos grotescos episódios de corrupção que vieram à tona nestes últimos anos é que as eleições (para os governos e parlamento) são um jogo de carta-marcadas. Serão eleitos somente aqueles que assumirem compromissos com o “mercado”, aqueles que receberem milhões de reais dos bancos e empreiteiras – mesmo que a lei não permita mais a doação de empresas, não faltarão CPFs para cumprir esse papel.
Ilusões eleitorais não pagam dívidas nem garantem os postos de trabalho. Seja lá quem for eleito, o próximo governo vai continuar nos atacando. Por isto não podemos voltar a cometer os erros do passado. É necessário, mais do que nunca, apostar única e exclusivamente nas nossas forças – na força da organização e da luta da classe trabalhadora.  
Os muitos anos de cachimbo deixaram a boca torta. O movimento sindical se acostumou com a dinâmica dos anos anteriores e não está sabendo lidar com a nova conjuntura. Por isto, o imobilismo se aprofundou: acordo bianual e ausência de campanha salarial em 2017, ausência de campanha contra as reestruturações nos bancos públicos, completo afastamento do Sindicato dos locais de trabalho.
É possível impedir os ataques
O governo Temer aprofunda as políticas neoliberais, tendo como agenda um conjunto de Reformas que desonere as empresas e coloque sobre a classe trabalhadora o custo da crise que vem se arrastando desde 2008.
No entanto, está claro que a vida do governo não está fácil. A Reforma da Previdência, principal meta de Temer, foi engavetada depois de um ano em que o presidente moveu mundos e fundos para aprová-la.
Foram muitas lutas em 2017. O “Fora Temer” estava em todos os lugares. O que faltou foi firmeza das grandes Centrais Sindicais, em especial a CUT e Força Sindical. É possível e necessário retomarmos um processo de lutas unificado neste ano. E que tenhamos, como um dos centros, a luta contra a reforma trabalhista e a Lei das Terceirizações aprovadas em 2017.
É possível enfrentar os Bancos. Eles, que lucram quando a economia cresce e lucram ainda mais quando tem recessão, não são invencíveis. Mas é necessário investirmos em uma Campanha salarial de verdade. Paralisações de fachada, negociações intermináveis sem mobilização, só nos levam a derrotas. O Sindicato precisa ser um instrumento de organização da categoria para lutar. Precisa estar presente em cada local de trabalho, durante todo o ano, preparando a categoria para o enfrentamento.
É possível um Sindicato diferente
Necessitamos um Sindicato democrático e controlado pela base da categoria. As assembleias devem ser frequentes para debater e decidir a política da categoria, e não apenas ratificar as propostas de uma instância vertical, um “Comando” ou votar a deflagração e encerramento de greves.
Defendemos uma reforma estatutária que mude profundamente todo o funcionamento de nossa entidade - fim do presidencialismo, proporcionalidade entre as chapas que concorrem às eleições, revogabilidade dos mandatos pela base, rodízio nas liberações dos diretores, entre outras medidas.
Também somos contra a criação de qualquer contribuição sindical compulsória. A contribuição dos trabalhadores ao sindicato deve ser opcional.
Reivindicamos a CSP-Conlutas, Central Sindical que surgiu da ruptura com a CUT. A CSP expressa o conteúdo democrático e classista que defendemos. Um sindicalismo de total independência dos governos e patrões.

Convidamos você a nos conhecer melhor e fazer parte deste projeto

Nossos contatos:
Whatsapp:
•    Nelson  21 988 950 283
•    Rodrigo 21 972 970 588
•    Thelma 21 997 376 944
•    Facebook:  facebook.com/renovacaoindependencialuta

 

 

 

Comentários


Para comentar você precisa estar logado.


Leia também:


18, October 18

Funcionários do Itaú recebem 13ª cesta-alimentação no dia 26

18, October 18

Empresas pagaram milhões para disseminar fake News pelo WhatsApp em favor de Bolsonaro

17, October 18

Retorno do risco de privatizações ameaça bancos públicos e o futuro do Brasil