Nenhum direito a menos

NOTÍCIAS

09, agosto 2017 20:44

QUEM SABE FAZ A HORA - Adriana Nalesso lembra que esta é a mais importante campanha nacional da categoria em décadas e que a participação na assembleia do dia 15 é o primeiro passo para organizar a luta dos bancários

Os bancários e bancárias do Rio de Janeiro realizam na próxima terça-feira, dia 15 de agosto, às 18 horas, a assembleia que vai organizar a mobilização da categoria contra os ataques do governo Michel Temer aos direitos dos trabalhadores, à extinção em massa do emprego no setor financeiro - através de novas formas de contratação permitidas pela reforma trabalhista, como terceirização, pejotização e o chamado trabalho intermitente – o desmonte dos bancos públicos, com o objetivo de ressuscitar o fantasma das privatizações e a tentativa de inviabilizar a organização sindical. A assembleia será no auditório do Sindicato, na Avenida Presidente Vargas, 502, 21º andar, no Centro. 
Ameaça à CCT
Uma das maiores preocupações do movimento sindical, diante das reformas do governo, é a ameaça às conquistas previstas na Convenção Coletiva de Trabalho dos bancários, a única no país de alcance nacional. A lei 13.467, da reforma trabalhista, somada à Lei 13.429, que permite a terceirização irrestrita, resultará em grandes prejuízos para os trabalhadores. 
A presidenta do Sindicato Adriana Nalesso considera a campanha nacional deste ano a mais importante das últimas décadas, pois estão em jogo não só os direitos e o emprego, como a própria existência da categoria. 
“A nossa categoria é diretamente atingida por estas reformas, que desmontam a CLT e extinguem direitos dos trabalhadores, tornam o trabalho ainda mais precário, reduzem a média salarial e colocam em risco a nossa Convenção Coletiva e a própria sobrevivência da categoria”, disse. Para Nalesso, o único objetivo de empresários e banqueiros é reduzir custos para lucrar ainda mais.
“Os bancos querem substituir bancários e bancárias por empregados terceirizados, trabalhadores contratados como pessoa jurídica e até mão-de-obra temporária, sem vínculo empregatício, para reduzir custos e aumentar ainda mais os lucros. Não podemos permitir que isto aconteça. Entretanto, só vamos impedir esta tragédia se estivermos unidos e mobilizados, a começar com a participação nesta assembleia”, disse. 
Salvaguardar direitos e emprego
O Comando Nacional dos Bancários entregou à Fenaban (Federação Nacional dos Bancos), na última terça-feira, 8, em São Paulo, na reunião para tratar das cláusulas 37 (que proíbe a exposição pública de ranking individual e a cobrança de cumprimento de resultados por mensagens, no telefone particular do empregado) e 65 (garante o adiantamento de salário do bancário afastado por doença) da CCT, um documento cobrando um termo de compromisso que garanta a proteção do emprego, a preservação dos direitos históricos conquistados pela categoria, e a defesa contra os efeitos nocivos das reformas aprovadas pelo governo Temer e as que ainda tramitam no Congresso Nacional, caso sejam aprovadas, como a Reforma da Previdência. 
“Não vamos aceitar este que é o maior retrocesso social da história de nosso país. Mas só vamos conseguir barrar estes ataques se todos os bancários e bancárias entenderem que tem que haver, de fato, uma participação intensa na organização de nossa luta”, acrescenta Adriana. 
O documento entregue pelo Comando dos bancários possui 21 pontos que têm por objetivo garantir empregos, direitos e a atuação das entidades sindicais na defesa dos bancários. Os bancos pediram tempo para avaliar o documento. Já os debates sobre as cláusulas não avançou e será retomado no dia 24 de agosto.
 

Leia também:


21, September 17

Lançada, no Sindicato, a Frente Parlamentar em Defesa dos Bancos Públicos

20, September 17

Convenção de dois anos permite maior antecipação da PLR

20, September 17

Lançamento da Frente Parlamentar em defesa dos bancos públicos é nesta quinta-feira (21)